OBJETIVO DESSE BLOG RAÍZES E ANCESTRALIDADE


BOAS VINDAS MEUS IRMÃOS, IRMÃS E SIMPATIZANTES DA NOSSA RELIGIOSIDADE BRASILEIRA!

CRIEI ESSE BLOG PARA HOMENAGEAR AS NOSSAS RAÍZES QUE HERDAMOS DE NOSSOS ANCESTRAIS E QUE AO LONGO DOS TEMPOS FORAM INCORPORANDO SEUS COSTUMES, VESTIMENTAS, SABEDORIA, MEDICINA, CULINÁRIA, CRENÇAS E RELIGIOSIDADE, ENRIQUECENDO A NOSSA CULTURA BRASILEIRA.

MISTURA DE CORES E RAÇAS QUE TORNOU NOSSO BRASIL UM PAÍS DE GRANDE DIVERSIDADE CULTURAL E CRENÇAS RELIGIOSAS!

FIQUEM À VONTADE PARA ENVIAREM TEXTOS, DAR OPINIÕES E SUGESTÕES PARA MELHORAR O CONTEÚDO DESSE BLOG, POIS GOSTARIA DE CONVIDAR A TODOS PARA TRABALHARMOS EM EQUIPE!

MEUS SINCEROS RESPEITOS A TODOS OS POVOS, TODAS AS RAÇAS, TODOS OS SEGUIMENTOS RELIGIOSOS E TODAS AS CULTURAS DE NOSSO PLANETA.

ASÉ, ASÉ E ASÉ

INDÍGENAS BRASILEIROS - SABEDORIA DAS ERVAS, FOLHAS, RITUAIS, MEDICINA E MAGIA

PAJÉ GUARANI - RITUAL DE PAJELANÇA

PAJÉ GUARANI - RITUAL DE PAJELANÇA

Pajelança indígena - Pajelança (do tupi pajé, curador, sacerdote, xamã) é um termo genérico aplicado às diversas manifestações do xamanismo dos povos indígenas Brasileiros. Refere-se aos rituais nos quais um especialista entra em contato com entidades não-humanas (espíritos de mortos, de animais etc.) com o fim de resolver problemas que acometem pessoas ou coletividades.

Pajelança cabocla - (também chamada de cura, linha de pena e maracá, linha de sacaca e diversos outros nomes) é uma manifestação religiosa não-indígena, difundida pela Amazônia e parte do Nordeste do Brasil (Maranhão e Piauí). Combina elementos do catolicismo popular, das culturas indígenas, doTambor de Mina e da Encantaria, da medicina rústica e de outros componentes da cultura e da religiosidade popular. Caracteriza-se, entre outros aspectos, pela ênfase no tratamento de doenças e aflições, por um transe de possessão característico, com “passagem” de diversas entidades espirituais em uma mesma sessão, e pela presença de certas práticas como o uso de tabaco e outras substâncias para defumação. Esses elementos associam a pajelança cabocla a outras manifestações religiosas populares encontradas no Norte e no Nordeste brasileiros, como o Catimbó/Jurema, o Toré e o Candomblé de Caboclo.

Pajelança - A Pajelança é encontrada no Amazonas, Pará, Piauí e Maranhão, uma religião autóctone, que foi gerada por elementos exclusivamente ameríndios. As curas e rituais são realizados pelo PAJÉ, equivalente do Shaman norte americano, com danças, cantos, e o instrumento sagrado, o MARACÁ, um chocalho e o uso de alcalóides vegetais, que possibilitam o transe. Cada região tem entidades distintas que são invocadas, porém sempre são espíritos da natureza, de animais ou de antepassados mortos. No Piauí, a Encanteira mescla a pajelança amazônica com o catolicismo popular.

Fonte: Wikipédia


JUREMA PRETA E SEUS MESTRES DO CATIMBÓ - TRABALHOS ESPIRITUAIS DE CURA E LIBERTAÇÃO

Jurema sagrada
como tradição "mágica" religiosa, ainda é um assunto pouco estudado. É uma tradição nordestina que se iniciou com o uso desta planta pelos indígenas da região norte e nordeste do Brasil, mas que, atualmente possui influências as mais variadas, e que vão desde a feitiçaria européia até apajelança, xamanismo indígena, passando pelas religiões africanas, pelo catolicismo popular, e até mesmo pelo esoterismo moderno, psicoterapia psicodélica e pelo cristianismo esotérico. No contexto do sincretismo brasileiro afro-ameríndio, a presença ou não da jurema como elemento sagrado do culto vem estabelecer a diferença principal entre as práticas de umbanda e do catimbó .

A jurema sagrada é remanescente da tradição religiosa dos índios que habitavam o litoral da Paraíba e dos seus pajés, grandes conhecedores dos mistérios do além, plantas e dos animais. Depois da chegada dos africanos no Brasil, quando estes fugiam dos engenhos onde estavam escravizados, encontravam abrigo nas aldeias indígenas, e através desse contato, os africanos trocavam o que tinham de conhecimento religioso em comum com osíndios. Pôr isso até hoje, os grandes mestres juremeiros conhecidos, são sempre mestiços com sangue índio e negro. Os africanos contribuíram com o seu conhecimento sobre o culto dos mortos egun e das divindades da natureza os orixás voduns e inkices. Os índios, estes contribuíram com o conhecimento de invocações dos espíritos de antigos pajés e dos trabalhos realizados com os encantados das matas e dos rios. Daí a jurema se compor de duas grandes linhas de trabalho: a linha dos mestres de jurema e a linha dos encantados.

FONTE: WIKIPEDIA

ENCANTARIA CIGANA - TRADIÇÕES, RITUAIS, ENCANTAMENTOS, DANÇAS E MAGIA TRAZIDA DE VÁRIAS PARTES DO MUNDO, PARA ENRIQUECER NOSSA CULTURA BRASILEIRA!

UMBANDA - A RELIGIÃO DA CARIDADE, DO AMOR E DA FRATERNIDADE, QUE TRABALHA ATRAVÉS DE SEUS SERES DE LUZ COMO: INDÍGENAS (CABOCLOS DE PENA), PRETOS-VELHOS, CRIANÇAS (IBEJIS), COMPADRES E COMADRES (POVO DE RUA)

CONGÁ DE UMBANDA - PONTO DE FORÇA DOS UMBANDISTAS

CONGÁ DE UMBANDA - PONTO DE FORÇA  DOS UMBANDISTAS

A UMBANDA foi criada em 1908 pelo Médium Zélio Fernandino de Moraes, sob a influência do Caboclo das Sete Encruzilhadas.

Antes disso, já havia, de fato, o trabalho de guias (pretos-velhos, caboclos, crianças), assim como religiões ou simples manifestações religiosas espontâneas cujos rituais envolviam incorporações e o louvor aos orixás. Entretanto, foi através de Zélio que organizou-se uma religião com rituais e contornos bem definidos à qual deu-se o nome de Umbanda.

Em 1945, José Álvares Pessoa, dirigente de uma das sete casas de Umbanda fundadas inicialmente pelo Caboclo das Sete Encruzilhadas, obteve junto ao Congresso Nacional a legalização da prática da Umbanda.

A partir dai, muitas tendas cujos rituais não seguiam o recomendado pelo fundador da religião, passaram a dizer-se umbandistas, de forma a fugir da perseguição policial. Foi aí que a religião começou a perder seus contornos bem definidos e a misturar-se com outros tipos de manifestações religiosas. De tal forma que hoje a Umbanda genuína é praticada em pouquíssimas casas.

Hoje, existem diversas ramificações onde podemos encontrar influências que utilizam a palavra Umbanda, como as indígenas (Umbanda de Caboclo), as africanas (Umbandomblé, Umbanda traçada) e diversas outras de cunho esotérico (Umbanda Esotérica, Umbanda Iniciática). Existe também a "Umbanda popular", onde encontraremos um pouco de cada coisa ou um cadinho de cada ancestralidade, onde o sincretismo (associação de santos católicos aos orixás africanos) é muito comum.


FONTE: WIKIPEDIA


CANDOMBLÉ - CULTO AOS ORIXÁS - DIVINDADES QUE REPRESENTAM AS FORÇAS DA NATUREZA TRAZIDOS PARA O BRASIL PELOS ESCRAVOS DE DIVERSAS LOCALIDADES DA ÁFRICA!

sábado, 25 de agosto de 2012

Candomblé é uma religião derivada do animismo africano onde se cultuam os orixás, Voduns, Nkisis dependendo da nação. Sendo de origem totêmica e familiar, é uma das religiões afro-brasileiras praticadas principalmente no Brasil, pelo chamado povo do santo, mas também em outros países como Uruguai, Argentina, Venezuela, Colômbia, Panamá, México, Alemanha, Itália, Portugal e Espanha. Cada nação africana tem como base o culto a um único orixá. A junção dos cultos é um fenômeno brasileiro em decorrência daimportação de escravos onde, agrupados nas senzalas nomeavam um zelador de santo também conhecido como babalorixá no caso dos homens e iyalorixá no caso das mulheres. A religião que tem por base a anima (alma) da Natureza, sendo portanto chamada de anímica, foi desenvolvida no Brasil com o conhecimento dos sacerdotes africanos que foram escravizados e trazidos da África, juntamente com seus Orixás/Nkisis/Voduns, suacultura, e seus idiomas, entre 1549 e 1888. Embora confinado originalmente à população de negros escravizados, inicialmente nas senzalas, quilombos e terreiros, proibido pela igreja católica, e criminalizado mesmo por alguns governos, o candomblé prosperou nos quatro séculos, e expandiu consideravelmente desde o fim da escravatura em 1888. Estabeleceu-se com seguidores de várias classes sociais e dezenas de milhares de templos. Em levantamentos recentes, aproximadamente 3 milhões de brasileiros (1,5% da população total) declararam o candomblé como sua religião.[2] Na cidade de Salvador existem 2.230 terreiros registrados na Federação Baiana de Cultos Afro-brasileiros e catalogados pelo Centro de Estudos Afro-Orientais da UFBA, (Universidade Federal da Bahia)Mapeamento dos Terreiros de Candomblé de Salvador. Entretanto, na cultura brasileira as religiões não são vistas como mutuamente exclusivas, e muitas pessoas de outras crenças religiosas — até 70 milhões, de acordo com algumas organizações culturais Afro-Brasileiras — participam em rituais do candomblé, regularmente ou ocasionalmente.[3] Orixás do Candomblé, os rituais, e as festas são agora uma parte integrante da cultura e uma parte do folclore brasileiro. FONTE: WIKIPEDIA